CULTIVO DE MIRTILO

   


Frutas

Emater

Emagrecer

Culinaria

Dietas

Holismo

Artes Plásticas

.
.





.

Mirtilo: propriedades, consumo e plantio


Mirtilo é uma fruta rica em nutrientes, também conhecida como blueberry e vendida na forma congelada.  Alguns hortifrutis nas principais capitais do país já comercializam a fruta ¨in natura¨. O mirtilo tem muitas propriedades benéficas à saúde, confira:

Forte ação antioxidante e combate ao envelhecimento precoce. O mirtilo é rico em antioxidantes como os flavonoides, antocianidinas e resveratrol. Os antioxidantes são essenciais para combater os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento precoce e o desenvolvimento de algumas doenças.


Valor nutricional. Fornece vitaminas A, C, E e minerais como potássio, cobre, ferro e zinco.

Ação anti-inflamatória e proteção celular. Um estudo publicado no Journal of Nutrition em 2009 mostrou que o mirtilo atenua a resistência à insulina e protege contra a inflamação do tecido adiposo em ratos alimentados com uma dieta rica em gorduras (dieta obesogênica). Esses efeitos benéficos do mirtilo podem ser resultado da habilidade das antocianidinas do mirtilo ajudarem a regular genes inflamatórios. Essa pesquisa sugere que o mirtilo tem ação de proteção celular e anti-inflamatória, conferindo benefícios ao metabolismo no combate às patologias associadas à obesidade.

 

Ação anticâncer. O mirtilo contêm ainda ácido elágico e polifenóis. Esses componentes estimulam os mecanismos de eliminação de substâncias cancerígenas.

Saúde Cardiovascular. O resveratrol presente no mirtilo ajuda a prevenir processos oxidativos que levam a formação de aterosclerose (placas de gordura nas artérias). Um estudo publicado no periódico Circulation em janeiro deste ano sugeriu que o consumo regular (3 vezes na semana) de mirtilos e morangos podem diminuir o risco de ataques cardíacos em mulheres. Os pesquisadores encontraram uma redução de praticamente um terço no risco de ataque cardíaco em mulheres que consumiam essas frutas regularmente. Os pesquisadores acreditam que essa ação pode ser resultado dessas frutas oferecerem grande quantidade de flavonoides, compostos com propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, protegendo a saúde cardiovascular. A antocianidina também pode contribuir na redução da formação de placas de aterosclerose, o que favorece também o fluxo sanguíneo.

Regulação da glicemia. O mirtilo tem baixo índice glicêmico, contribuindo na regulação da glicemia (açúcar do sangue). É uma excelente alternativa para pessoas que apresentam diabetes ou com intolerância à glicose

Baixo valor calórico. A cada 100 gramas = 32 calorias. O que torna a fruta uma aliada nas dietas de emagrecimento.

Sugestão de consumo:

- No desjejum acompanhando cereais ou salada de frutas
- Na forma de sucos, vitaminas, smoothies ou shakes, utilizando a fruta fresca ou congelada
- Elaboração de recheios de tortas, bolos ou geleias
- Acompanham muito bem sorvetes, iogurtes e sobremesas
- A versão congelada conserva a ação antioxidante da fruta, e a vantagem é poder consumir durante o ano todo.

EXIGÊNCIAS PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM CULTIVO DE MIRTILO ALTO

Por Cristina Monteiro Zito

Requerimientos climáticos

Como muitas plantas de folhas caducas, o mirtilo requer de uma verdadeira quantidade de horas de frio para romper seu recesso invernal e ter uma floração uniforme. Esta quantidade de horas oscila entre 150 a 2000, segundo o tipo de cultivar ou variedade. Os de maior requerimento de frio são os mirtilos baixos, depois lhe seguem os altos e por ultimo, os rabbiteye ou "olho de coelho" que oscilam entre 350 a 650 horas de frio, ainda que há variedades de Southern Highbush de somente 150 horas de frio. Denomina-se horas de frio, à sumatoria anual de horas nas que a temperatura registra valores iguais ou inferiores a 7° C ainda que se reportou que para algumas variedades a acumulação de frio se produz a partir dos 10 °C.As regiões de noites frias, dias longos e temperaturas não extremas, no momento da formação e maturação do fruto, favorecem seu desenvolvimento e melhoram as condições de aroma e sabor.
O vento é outro fator muito importante a ter em conta, afeta o crescimento das plantas especialmente quando são pequenas, provoca destruição de follaje e afeta a floração, em forma indirecta obstruindo o labor dos insetos polinizadores e em forma direta porque os ventos secos e com temperaturas superiores aos 30° C desidratam as flores. Também é importante o dano que ocasiona a arenisca na fruta, raspando-a e diminuindo assim seu valor comercial, pelo que se recomenda manter na trocha uma coberta cespitosa para diminuir este efeito. Portanto a instalação de cortinas rompevientos é muito importante, já que se trata de um cultivo de muita longevidade. Se se dispõe de um predio para o cultivo numa zona ventosa, deverá preexistir uma boa cortina florestal perimetral, ou prever incluir a semeia ou implantação, entre as fileiras do cultivo, de alguma espécie que seja o suficientemente perene para resguardar o cultivo. Cabe aclarar que uma cortina florestal protege eficazmente até 10 vezes sua altura em sentido horizontal, pelo que a quantidade de cortinas dependerá da magnitude do área a implantar.

PRODUÇÃO DE MIRTILOS NA AMERICA DO SUL

Situação mundial

A superfície cultivada com mirtilos a nível mundial está em franco crescimento no ultimo quinqüênio, chegando a 43.765 tens no 2005, incluindo mirtilo alto e baixo

O aporte no 2005 das diferentes regiões se discrimina assim: os maiores produtores são Estados Unidos e Canadá com um 68% do total, Europa 17%, Sudamérica 13%, Austrália e Nova Zelandia 2%. No ano 2003 Norte América contribuía o 76%, mas o crescimento das demais regiões foi substantivo, o qual mudou relativamente o percentual.

Quando se analisam as exportações mundiais, estes dois países também se encontram como principais exportadores, com o 82% do mercado total e 52 mil toneladas totais. Em terceiro lugar se encontra Chile, exportando o 12% do mercado de exportação ao fim da zafra do ano 2003.

Dicas
A fruta possui um sabor agridoce e pode ser empregada tanto em pratos doces como salgados ou ser consumida "in natura". Suas folhas podem ser consumidas na forma de salada ou chá.

Curiosidades
O mirtilo não é apenas uma fruta saborosa. Pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) comprovaram que o mirtilo produzido no Brasil tem as mesmas características do blueberry – a versão original da fruta, cultivada nos Estados Unidos e na Europa – e possui a mesma quantidade de pigmentos antocianos.

Polinização

Um arbusto de mirtilo auto-polinizado é capaz de fecundar todas as suas flores, embora se considere que uma polinização de oitenta por cento garante uma colheita bem sucedida. São os insetos, especialmente alguns tipos de abelhas, que nos ajudam nesta tarefa. A sua presença no campo faz aumentar a percentagem de flores polinizadas. Só eles nos garantem o cruzamento de pólen entre cultivares.

O pólen do mirtilo está nas antenas que se encontram no interior da flor, é pegajoso e pesado, dificilmente será transportado pelo vento. A vibração causada pelos insetos que procuram o néctar liberta-o caindo sobre o seu corpo. Assim que visitar outras flores entra em contacto com o estigma que está ligeiramente saliente, é desta forma que se polinizam os mirtilos.

A abelha europeia (Apis mellifera) raramente entra neste processo. Algumas flores de mirtilo, especialmente as cultivares mais temporãs, brotam quando as temperaturas ainda estão baixas, numa altura em que as abelhas ainda estão refugiadas nas colmeias. Outra razão prende-se com o fato de não conseguir entrar na flor para recolher néctar, isto faz com que se desinteressem pelas flores de mirtilo.

Surpreendentemente é o abelhão (Bombus terrestris) com um porte muito superior à abelha melífera, que poliniza o mirtilo com sucesso. Este tipo de abelha tolera as baixas temperaturas do fim do Inverno, usa a sua língua comprida para transpor a pequena abertura da flor, desta forma transporta o pólen de flor em flor.

Apesar das plantas de mirtilo do nosso catálogo serem auto-polinizadas, convém que instale pelo menos duas cultivares diferentes no campo. Assim iremos promover a polinização cruzada, o que nos permite ter frutos que amadurecem mais cedo e são maiores.

Rega

Os arbustos de mirtilos tem raízes superficiais e requerem irrigação abundante e frequente, o aconselhado é um sistema de rega gota a gota. Apesar de necessitarem de bastante água, não gostam de ter “os pés molhados”, por isso é essencial um solo bem drenado. Se isto não se verificar devem ser plantados em camalhões. Este sistema vai ajudar a manter as raízes fora da água parada.


Fertilização

As plantas de mirtilo necessitam de muitos nutrientes para crescerem normalmente.

Estes estão classificados como macronutrientes e micronutrientes. Os três macronutrientes principais são o azoto (N) o fósforo (P) e o potássio (K), são utilizados em quantidades maiores em relação a todos os outros. A sua adição ao solo é frequente, já que as plantas os usam para se alimentarem, se não forem repostos acabam por se esgotar.

O cálcio (Ca), o magnésio (Mg) e o enxofre (S), são os macronutrientes secundários, são usados em quantidades pequenas, no entanto pode ser necessária a sua aplicação em alguns solos. Estes nutrientes podem ser substituídos por alguns minerais tais como o calcário, o gesso, a dolomita, ou enxofre em pó. Uma única aplicação destes minerais geralmente é suficiente por vários anos.

Os micronutrientes são o boro (B), o manganês (Mn), o cobre (Cu), o zinco (Zn), o ferro (Fe), o molibdénio (Mo) e o cloro (Cl), estes são usados pelas plantas em pequenas quantidades. A maioria dos solos contém os micronutrientes em quantidades suficientes. Se houver necessidade são aplicados sob a forma de adubo foliar, e somente depois de ser verificada a sua carência através de observação de sintomas ou se detectado em análises às folhas ou tecidos. Os micronutrientes também podem ser adicionados na água da rega, a isto chama-se fertirrigação, no entanto as plantas de mirtilo respondem mais rapidamente às pulverizações foliares de micronutrientes.

As primeiras fertilizações são feitas sempre a partir da análise inicial ao solo, os nutrientes devem ser aplicados no final do Inverno. A aplicação de fertilizantes deve ser aumentada a cada ano que passa até que os arbustos sejam adultos, isto acontece no quinto ano. Devem ser feitas análises foliares regulares para aferir as carências ou excessos de nutrientes.

Os nutrientes devem ser aplicados com muito cuidado, o seu uso excessivo pode ser mais prejudicial para as plantas do que a sua falta!


Poda

A poda é necessária para manter o vigor e a produtividade da planta de mirtilo. Serve para limpar e moldar as plantas, ajuda a manter o tamanho e a qualidade dos frutos.

Uma poda adequada equilibra a produção de novos ramos fortes, mantendo a produção de frutos bons. Quando as plantas são podadas com muita leviandade, tornam-se densas, com um crescimento fraco, não se desenvolvem novos lançamentos, comprometendo a produção de frutos no futuro. Poda severa leva à produção de menos frutos no ano seguinte, melhorando substancialmente a qualidade e a quantidade do fruto nos anos seguintes.

Devem ser cortados os ramos secos, danificados ou doentes. A árvore deve ser moldada em coroa de forma a abrir, só assim o sol chega a todos os ramos. Os rebentos que brotam diretamente do solo também devem ser removidos, só deve deixar vingar o mais forte e vigoroso de forma a garantir a renovação do arbusto.

A melhor época para podar é de Dezembro a meados de Fevereiro, durante o período de dormência. No entanto os mirtilos podem ser podados em qualquer momento a partir do final da colheita até à rebentação dos botões na Primavera seguinte.


Controle de Infestantes

A gestão de ervas daninhas na plantação de mirtilos é importante por várias razões. Primeiro, estas ervas competem com as plantas por água, nutrientes e luz. Segundo, algumas podem servir como hospedeiros para insetos e doenças. Muitas ervas no pé do mirtilo podem criar condições de grande umidade, o que favorece o aparecimento de alguns fungos prejudiciais para as nossas plantas, neste caso deve ser aplicada casca de pinho tratada para evitar o nascimento de infestantes. As ervas daninhas também podem interferir com a irrigação e as operações de colheita. Podem ainda fornecer o habitat ideal para pragas de vertebrados, como o rato do campo que se pode alimentar da raiz do mirtilo. Finalmente, destas ervas daninhas que florescem ao mesmo tempo dos mirtilos, assim sendo, competem com eles pela polinização.

A estratégia de gestão mais importante é empregada antes do plantio, ou seja, eliminando todas as plantas daninhas perenes. Uma vez estabelecidas no campo, estas ervas são quase impossíveis de remover.

Os campos que foram pastagem requerem uma limpeza profunda antes de estabelecer a plantação de mirtilos.

O controlo destas ervas indesejadas deve começar no ano antes do plantio. Deve-se recorrer à aplicação de herbicidas sempre que necessário. O tipo de herbicida e a sua aplicação são dependentes das espécies de ervas daninhas presentes no campo. Deve recorrer sempre a um técnico especializado para recomendar e aplicar o herbicida adequado.

A erradicação de ervas daninhas deve ser visto como um esforço contínuo, nunca como uma tarefa sazonal. Os campos devem ser observados com frequência, assim observará o aparecimento de infestantes, quanto mais cedo as detectar mais fácil é a sua erradicação. Estas devem ser removidas antes que tenham oportunidade de se florescer.

Há agricultores que semeiam prado de sequeiro com trevo, azevém e festucas como forma de combater as infestantes, no entanto há sempre que ter cuidado com o excesso de ervas junto ao pé do mirtilo. Outra forma de combater as infestantes é a aplicação de tela de cobertura de solo.


Doenças e Ameaças

Os produtores de mirtilo devem observar as suas plantas com frequência, têm de saber identificar anomalias e sinais de alarme, estes podem ser resultado de doenças fúngicas, bacterianas e virais. Também podem resultar da ação de alguns insetos. Felizmente, em Portugal ainda há poucas ou nenhumas doenças que afetem o mirtilo, no entanto deve-se ter sempre em conta a origem das plantas a instalar no nosso pomar de forma a evitar que estas venham contaminadas ou sejam portadoras de doenças e pragas. Apenas de deve comprar árvores de mirtilo em viveiros certificados e que a origem das plantas seja fidedigna.

Os animais selvagens também são uma ameaça para o pomar de mirtilos, sempre que seja possível devem ser controlados ou afastados da plantação.

De todos os animais selvagens que os produtores de mirtilo têm de enfrentar, os pássaros são os mais importantes. As aves são responsáveis por perdas até cerca de 10 por cento de uma cultura de mirtilo. 

Os roedores são uma outra fonte de preocupação, lebres, coelhos e ratos pode causar sérios danos às plantas. Os ratos fazem os seus ninhos na trufa e alimentam-se das raízes. Os coelhos e as lebres são um problema particularmente grave, roem a casca, os ramos baixos e os botões, isto danifica por vezes de forma irreversível as plantas. Para os manter afastados a plantação deve ser cercada com rede, os ratos podem ser controlados com isco ou armadilhas.



Referências: 
http://www.osmirtilos.com
http://veja.abril.com.br/blog/viver-bem/nutricao/os-poderes-do-mirtilo
http://www.hortifruti.com.br/produtos/frutas/blueberry-ou-mirtilo.html
http://www.viveirodemirtilos.com